Heróis

Têm todos menos de 13 anos, mas provam ser mais homens que muito homem neste mundo.

video

O que acontece quando colocamos um menino e uma menina frente a frente? Brincam juntos? Ignoram-se? Fazem troça um do outro?

E o que acontece quando pedimos ao menino que bata na menina?

O site italiano, Fanpage.it, quis saber exatamente isso e por isso entrevistou diversos meninos pelas ruas de Itália. Perguntou-lhes o nome, a idade, o que queriam ser quando crescessem… E depois apresentaram-lhes uma menina, Martina. Depois de os apresentar, o entrevistador perguntou aos rapazes o que é que mais gostavam nela. Em seguida pediu-lhes que lhe dessem um carinho, uma festa, algum sinal de ternura. Em seguida, pediu-lhes que lhe fizessem uma careta. E depois, pediu-lhes que lhe batessem.

As reações dos meninos, que até aí sempre tinham seguido a indicação do entrevistador, foi o mais surpreendente. Sendo crianças, ainda para mais dirigidas por um adulto, seria fácil compreender que o fizessem. Mas todos eles, sem exceção, se recusaram a bater-lhe.

“Sou contra a violência”, diz um deles.

Este vídeo integra-se numa campanha do site de notícias italiano, que pretende consciencializar as pessoas para a violência baseada no género, pondo no papel principal aqueles que têm o coração mais puro: as crianças.

Se um menino de 8 anos sabe que está errado bater numa mulher, porque é que ainda há tantos homens que parecem esquecê-lo diariamente?