Heróis

O cozinheiro e o empregado de limpeza continuaram a trabalhar gratuitamente depois deste lar de terceira idade ter fechado as portas.

Em outono do ano passado, um lar de terceira idade na Califórnia teve de fechar as suas portas e perdeu quase todos os seus empregados. Dizemos quase, porque dois deles continuaram a trabalhar, mesmo não recebendo qualquer remuneração. A equipa era composta por Maurice Roland, cozinheiro e Miguel Alvarez, empregado de limpeza, que são amigos desde os tempos de liceu e trabalhavam juntos para o lar.

“Ainda tínhamos lá cerca de 16 residentes e falámos sobre isso na cozinha. ‘O que é que vamos fazer?'” diz Maurice.

“Se nos fossemos embora, eles não teriam ninguém.” Diz Miguel “Nós eramos apenas o cozinheiro e o empregado de limpeza.”

Miguel e Maurice passaram vários dias a trabalhar gratuitamente, para garantir os cuidados básicos de saúde, higiene e alimentação dos residentes.

“Eu não conseguia simplesmente baixar os braços e ir para casa.” diz Maurice.

Os dois amigos ficaram a trabalhar até que o departamento de bombeiros local e o xerife assumiram os comandos do lar, cerca de uma semana depois. As suas ações conduziram ao Acto de Reforma da legislação para os Cuidados Residenciais para Idosos, que previne que os residentes de lares de terceira idade sejam abandonados no caso de fecho das instalações onde se encontram.

“Embora não fossem nossos familiares, era quase como se naquele período de tempo nos tivéssemos tornado numa família.” diz Miguel.

Há ainda rumores de que este ato de altruísmo inspirou o filme “If we left” (“Se partíssemos” em português), que ainda não tem data prevista para exibição.

Foto de e artigo original de StoryCorps e The Daily Meal