Saúde e bem-estar

Investigadores canadenses renovam esperanças com a publicação de um estudo sobre a cura do Alzheimer

Foi no início de 2015 que saiu a notícia que veio reacender a esperança de muitos em combater esta doença que, aos poucos, destrói a memória, e com ela a identidade, daqueles que mais amamos.

Em Janeiro deste ano, a doença de Alzheimer foi revertida pela primeira vez no mundo inteiro num grupo de pacientes no Canadá. Os investigadores responsáveis por este avanço na ciência médica são canadenses, mais precisamente da Universidade de Toronto, e o seu estudo foi publicado na revista “Annals of Neurology” – a quarta mais conceituada revista da especialidade de Neurologia Clínica.

A doença de Alzheimer é um transtorno neurodegenerativo, que conduz à progressiva degradação dos neurónios e das sinapses no córtex cerebral e outras áreas subcorticais. Esta degradação origina a perda de memória e capacidades cognitivas da pessoa afetada, levando por fim à morte.

Neste estudo, os investigadores trabalharam com 6 pacientes, diagnosticados há mais de um ano, os quais foram submetidos a uma técnica de estimulação cerebral profunda, que consiste em implantar eléctrodos que depois enviam impulsos elétricos para o cérebro.

Estes eléctrodos foram implantados numa área do cérebro chamada Fórnix, que estabelece a comunicação com o Hipocampo (centro da memória). Em dois dos pacientes, a degradação da parte do cérebro associada à memória chegou mesmo a ser regenerada e nos 4 restantes pacientes a degradação parou por completo, depois destes terem sido submetidos ao tratamento.

Esta é a primeira vez que a degradação da área cerebral associada à memória foi revertida, o que pode significar que os tratamentos da doença de Alzheimer têm novos caminhos a desbravar. Contudo, esta é uma técnica que ainda tem de ser desenvolvida e que necessita de mais investigação, pelo que a equipa de investigadores planeia começar novos testes envolvendo pelo menos 50 pacientes.

Para mais informação pode ler a notícia original aqui.