Inspirações

Em 3 anos ela reduziu o lixo que produzia a um frasco de compota. E em 13 minutos explica-lhe como foi fácil!

video

Cada vez mais surgem questões ambientais que nos levam a refletir acerca do rumo que estamos a dar ao planeta e sobre a nossa influência nos mais variados ecossistemas. Cada vez é mais urgente reverter a situação, iniciar a mudança, para que a mãe-natureza não pereça totalmente nas nossas mãos.
Lauren Singer era uma estudante de Estudos do Ambiente quando começou uma revolução na sua própria vida, inspirada por uma família que decidiu viver sem produzir lixo.

Neste vídeo, Lauren dá uma conferência TED na qual explica exatamente o que faz e como foi o seu processo, desde se aperceber que tinha de mudar algo, até viver há 3 anos sem produzir desperdício. Na verdade, todo o desperdício que produziu até hoje, cabe num frasco de compota.

[bctt tweet=”Cada vez é mais urgente reverter a situação.”]

A conferência está em inglês, mas sem legendas, pelo que lhe deixamos aqui a tradução livre de toda a explicação:

“Este é todo o lixo que eu produzi nos últimos 3 anos. Quando eu digo isto, pessoas acham que eu sou louca, ou que estou a mentir, ou perguntam-me coisas como “Ok, como é que limpas o rabo?”

Eu vivo um estilo de vida sem desperdícios e tenho-o feito desde os últimos três anos. Sem desperdício. É um conceito bastante grande, não é? Deixem-me explicar-vos.

[bctt tweet=”Reduzi a minha produção de lixo em cerca de 90%.”]

Para mim, viver sem desperdício significa não produzir lixo. Não colocar nada em aterros, não colocar nada em latas de lixo, nem cuspir pastilha elástica para o chão e continuar a andar. Sem lixo. Este é um grande conceito.

[bctt tweet=”Viver sem desperdício significa não produzir lixo.”]

Tudo isto começou quando eu estava a estudar Estudos do Ambiente na NYU (Universidade de Nova Iorque). No meu último ano eu estava a estudar a cadeira final de Estudos do Ambiente, que é basicamente a cadeira culminar do curso que todos os ambientalistas precisam de tirar para saírem para o mundo e tornarem-no num lugar mais sustentável. Bem, havia uma rapariga nesta aula que todos os dias trazia um grande saco de plástico, com pratos e talheres de plástico e caixas de plástico com a sua comida, uma garrafa de água de plástico e um pacote de plástico com batatas fritas. Ela comia tudo isto e no final de cada aula, limitava-se a colocar todo o desperdício no lixo! Isto era muito frustrante de ver… Porque aqui estávamos nós a estudar proteção do ambiente, a tentar tornar o mundo num sítio melhor, e ali estava ela a deitar tudo isto para o lixo…

Um dia, depois de mais uma aula e de me sentir incrivelmente frustrada, fui para casa para fazer o jantar. E quando abri o frigorífico notei em algo em que nunca tinha reparado! Cada coisa que eu tinha naquele frigorífico estava, de uma forma ou de outra, envolta em plástico. Eu estava a ficar tão chateada com a outra rapariga por produzir tanto desperdício e eu era igualmente má! Eu era essa rapariga!… E foi nesse momento que tomei uma decisão: eu ia parar de usar plástico.

[bctt tweet=”Foi nesse momento que tomei uma decisão: eu ia parar de usar plástico.”]

Bom… desistir de plástico, não é assim tão fácil, certo? Quando pensamos na nossa vida diária, acordamos de manhã e vamos à casa de banho escovar os dentes. De que é feita a vossa escova de dentes? Plástico! De que é que é feito o pacote da vossa pasta de dentes? Plástico! O seu creme da cara, o seu creme do corpo, o líquido das lentes de contacto, tanta coisa do nosso dia-a-dia estão embaladas em plástico. E por isso percebi, se eu queria afastar-me do plástico, a única forma de o fazer seria ao aprender a fazer os meus produtos sozinha.

Não sei quanto a vocês, mas eu não tinha a menor ideia de como se produzia desodorizante, eu não andava com a receita no bolso! Por isso percebi que tinha de fazer alguma pesquisa. E enquanto fazia essa pesquisa cruzei-me com um blog chamado “A casa sem desperdício”, de Bea Johnson. Uma mulher e mãe de dois filhos, de Millvalley na California. E esta família de quatro vive uma vida sem desperdício. Quando eu conheci a história da Bea e da sua família, eu fiquei completamente maravilhada.

[bctt tweet=”Inspirei-me num blog chamado ‘A casa sem desperdício’, de Bea Johnson.”]

Eu achava que estava a fazer o melhor para o planeta ao não produzir nenhum desperdício plástico, mas a ideia de que eu poderia não produzir lixo foi tão capacitante, tão inspiradora e fazia todo o sentido, certo? Eu estava a estudar Estudos do Ambiente, eu preocupava-me com o ambiente, estudava sustentabilidade, falava de sustentabilidade, protestava a favor da sustentabilidade, mas apercebi-me que não estava a implementar nenhum desses valores na minha vida. Por isso, tomei a decisão de passar a fazer uma vida sem desperdício.

[bctt tweet=”A ideia de que eu poderia não produzir lixo foi tão capacitante!”]

Deixem-me explicar-vos isto melhor e dizer-vos alguns dos passos por que passei, para fazer esta transição um bocadinho mais fácil.

A primeira coisa que fiz foi parar de comprar comida empacotada. Por isso em vez de ir à loja e comprar comida embalada em papel, ou vidro, ou plástico eu passei a levar os meus frascos ou sacos para as lojas para encher com produtos em grosso ou sem pacotes. Também passei a comprar as minhas frutas e legumes do mercado biológico – sem pacotes!

[bctt tweet=”A primeira coisa que fiz foi parar de comprar comida empacotada.”]

A segunda coisa que passei a fazer foi produzir os meus próprios produtos. Antes de eu começar a viver este estilo de vida, o meu namorado da altura lavava os dentes com bicarbonato de sódio. E eu achava que ele era, provavelmente, a pessoa mais nojenta do mundo. Não era possível ele conseguir lavar os dentes  com um produto como bicarbonato de sódio, certo? Bom, avançando rapidamente, o primeiro produto que fiz foi pasta de dentes! Feita com… bicarbonato de sódio!

[bctt tweet=”A segunda foi produzir os meus próprios produtos. “]

E assim, ao longo do tempo, fui fazendo os meus próprios produtos. Quando algum dos meus produtos acabava, em vez de ir à loja e comprar mais, eu produzia-os. Quando o meu creme acabou, eu produzi mais. Quando o meu desodorizante acabou, eu aprendi a fazê-lo sozinha. Ao fim de algum tempo, todos os produtos que eu costumava comprar eram, subitamente, feitos por mim.

[bctt tweet=”O primeiro produto que fiz foi pasta de dentes, feita com bicarbonato de sódio.”]

A terceira coisa que eu passei a fazer foi a comprar em segunda mão. Em vez de comprar roupas novas, e pôr mais desperdício no ciclo de lixo, eu comprava coisas recicladas, em segunda mão, e assim não produzia nenhum lixo novo.

[bctt tweet=”A terceira coisa foi passar a comprar em segunda mão.”]

E a quarta coisa que fiz foi reduzir o volume de coisas que tinha em casa. Foquei-me em ter em casa apenas as coisas que eram absolutamente essenciais e de que precisava mesmo. Bem, isto foi mesmo complicado, porque eu sou uma pessoa muito sentimentalista. Eu consigo explicar-vos porque um palito precisa de fazer parte da minha vida!

[bctt tweet=”Foquei-me em ter em casa apenas as coisas aboslutamente essenciais.”]

Depois de eu ter passado por esse processo e ter reduzido ao máximo aquilo que tinha em casa, eu tinha muito menos coisas, a casa estava mais espaçosa e mais fácil de limpar. E quando temos menos coisas, apercebemo-nos que cuidamos melhor dessas coisas. E quando tomamos melhor cuidado das nossas coisas, deixamos de lado a mentalidade de “oh, se se estragar, deito-a fora e depois compro outra melhor”.

Eu só tinha algumas coisas, por isso prezei-as e não estava a mandar nada para aterros. Tudo isto deve parecer-vos bastante complicado, não é? Mas garanto-vos, não é assim tão complicado. Eu sou apenas uma pessoa normal, preguiçosa, e se fosse assim tão complicado eu não o faria.

[bctt tweet=”Os benefícios deste estilo de vida ultrapassam largamente as desvantagens. “]

Aliás, os benefícios deste estilo de vida ultrapassam largamente as desvantagens que possam imaginar. O primeiro benefício é que poupo dinheiro! Poupo dinheiro quando compro comida e quando faço os meus próprios produtos, porque não estou a pagar pelo custo associado ao empacotamento. Também poupo dinheiro ao comprar em segunda mão, porque as roupas em segunda mão tendem a ser mais baratas do que as roupas novas. Também poupo dinheiro porque reduzi a quantidade de coisas à minha volta. Por isso não vou às compras tão frequentemente, nem compro coisas no impulso. Só compro aquilo de que preciso mesmo.

[bctt tweet=”Mas garanto-vos, não é assim tão complicado.”]

O segundo benefício é que a minha alimentação é muito melhor. Quando eu vou às compras agora, eu não tenho a opção de comprar comida processada que não esteja empacotada. Por isso agora a minha dieta consiste de alimentos naturais, de frutas e legumes, grãos, feijões e frutos secos em grosso que ponho nos meus frascos e sacos. E quando comemos melhor, sentimo-nos melhor. Notei que nestes últimos anos, o meu peso estabilizou, tenho mais energia, preciso de dormir menos… E quando comemos melhor e nos sentimos melhor e poupamos dinheiro, sentimo-nos mais felizes.

[bctt tweet=”E quando comemos melhor, sentimo-nos melhor.”]

Pela primeira vez na minha vida estou a viver em perfeito alinhamento com os meus valores. E porque é que isso é importante? “Lixo”. Bem, o lixo é um grande problema. Na verdade, o cidadão médio americano produz cerca de 2kg de lixo, por dia. Ao longo de um ano isso é como pegar em 8,5 amigos seus e atirá-los para o lixo. Não faça isso, não é simpático! Portanto, se se preocupa com os seus amigos, e não os quer deitar para o lixo, e acha que é possível fazer estas mudanças e reduzir a quantidade de lixo que produz, tenho 3 passos simples para si:

[bctt tweet=”O cidadão médio americano produz cerca de 2kg de lixo, por dia!”]

O primeiro passo é olhar para o seu lixo e perceber o que é. Porque não consegue resolver um problema a menos que perceba a que se deve. Quando eu fiz este exercício, eu percebi que tinha 3 principais fontes de lixo: a primeira eram as embalagens de comida, e foi por isso que aprendi a fazer as compras em grosso ou sem pacotes; a segunda eram as embalagens dos produtos de higiene, e por isso aprendi a fazer todos os meus produtos; e a terceira era o lixo orgânico, de restos de comida e por isso aprendi a fazer compostagem. E ao aperceber-me disto e eliminar estas fontes, reduzi a minha produção de lixo em cerca de 90%.

O segundo passo que gostaria de sugerir é colher as frutas mais baixas. Ou seja, fazer pequenas mudanças, que faz apenas uma vez na sua vida diária, mas que têm um impacto positivo a longo prazo e em larga escala. Isto inclui por exemplo coisas como utilizar sacos de algodão, em vez de sacos de plástico ou papel; ou usar uma garrafa de água de aço inoxidável ou de vidro, em vez de comprar garrafas de água de plástico. Ao fim de um tempo vai aperceber-se de que estas pequenas mudanças na verdade se acumulam e fazem uma diferença enorme.

O terceiro passo que gostaria de sugerir é o FVM (Faça Você Mesmo), ou seja aprender a fazer os seus produtos em casa. Eu pessoalmente adoro fazê-lo, porque quando vamos a uma loja e temos de comprar produtos, temos que nos conformar e aceitar os produtos que estão disponíveis, tal como são. Se não gosta do seu cheiro, paciência. Se não gosta da sensação que lhe dão, temos pena. Se não gosta da forma como estão empacotados, não tem escolha. Mas para mim, já que faço os meus próprios produtos, se não gosto do cheiro, eu mudo a essência; se não gosto dos ingredientes que os compõem, eu mudo-os; se não gosto do pacote, a escolha é minha. E então, ao fazer os meus próprios produtos de higiene, eu tenho total controlo do que estou a colocar no meu corpo.

[bctt tweet=”Eu tenho total controlo do que estou a colocar no meu corpo.”]

Eu comecei a viver este estilo de vida, enquanto estava a estudar na faculdade. E quando me formei, eu tinha um emprego a sério, duma pessoa a sério, em sustentabilidade. Que é precisamente o que eu deveria querer fazer, certo? E ao mesmo tempo ainda tinha o meu blog “trash is for tossers” e eu recebia frequentemente a pergunta “Querida Lauren, eu adoro os produtos que faz e eu também quero sinceramente usar produtos naturais, mas com a vida, família, amigos, etc, eu não tenho tempo de os fazer eu mesmo. Tem alguns produtos para venda que eu possa comprar nalguma loja? Muito obrigada pela sua ajuda, muitos beijinhos, pessoa tal tal”

Por isso, comecei a ir a lojas e olhar para os seus produtos. E apesar de ter encontrado muitos artigos de beleza, parecidos com os que eu produzia, não encontrei produtos de limpeza doméstica. Quando olhei para os produtos de limpeza doméstica, mesmo os ditos “naturais” continham ingredientes que eram muito nocivos. Ingredientes cancerígenos e perturbadores do sistema endócrino. Quando pesquisei mais sobre o assunto, descobri que os fabricantes destes produtos não são sequer obrigados por lei a declararem na embalagem todos os ingredientes que neles estão contidos! O que significa que quando compramos um produto destes estamos completamente à mercê destas empresas, esperando que elas tenham os nossos interesses em mente.

[bctt tweet=”Produtos industriais têm ingredientes cancerígenos e perturbadores do sistema endócrino.”]

Eu acredito que, enquanto consumidores, nós temos direito a produtos que são transparentes e que não são nocivos para a nossa saúde. E assim comecei a pensar nos meus próprios produtos. Os que já produzira durante anos. Que são seguros e eficazes e para os quais eu usei ingredientes com os quais lavo os dentes ou tempero saladas. E percebi que tinha uma oportunidade: e por isso despedi-me do trabalho que estava a fazer e comecei uma empresa. Porque sinto que enquanto seres humanos temos direito a produtos que são seguros para as nossas casas e para o nosso corpo e para o ambiente.

[bctt tweet=”Quando compramos um produto destes estamos completamente à mercê destas empresas.”]

Recebo constantemente comentários de que estou a fazer isto para chamar a atenção, mas eu vivo este estilo de vida para mim. Nunca diria a ninguém como deve viver ou quanto lixo deve produzir. O meu único objetivo é disponibilizar ferramentas, através do meu blog e dos meus produtos, para pessoas que, como eu, querem reduzir a quantidade de desperdício que geram. Eu vivo uma vida sem desperdício porque, para mim, é a melhor forma de viver em concordância com aquilo em que acredito. E para quê? Sou só uma pessoa, que mudança é que consigo fazer? A razão é simples. Eu quero ser lembrada pelas coisas que fiz enquanto estava neste planeta e não pelo lixo que deixei para trás. Muito obrigada.

[bctt tweet=”Eu quero ser lembrada pelo que fiz e não pelo lixo que deixei.”]

Para mais informações, visite o site TEDxTeen